Os 10 melhores filmes adaptados da obra de Shakespeare

por Elias Fontele Dourado

Como gigante da literatura universal, William Shakespeare tem centenas de adaptações cinematográficas. Escolher dez entre tantas é uma tarefa e tanto, mas certamente temos as obras-primas mais certeiras e profundas. Estes dez são filmes espetaculares.

 

10. Júlio César (1953)

Direção: Joseph L. Mankiewicz

uxOpLi9sCSHeh2wuLKyy1AuuvK8

Em Roma, (exatamente nos idos de março de 44 A.C., como tinha sido previsto) César (Louis Calhern) é assassinado, pois os senadores alegam que sua ambição o transformaria em um tirano. Mas Marco Antonio (Marlon Brando) consegue, em um inflamado discurso, reverter a situação e os conspiradores são obrigados a fugir. A partir de então dois exércitos são formados, um comandado por Marco Antonio e Otávio (Douglas Watson) e o outro por Cássio (John Gielgud) e Brutus (James Mason), sendo que este segundo exército é numericamente inferior, mas os conspiradores preferem cometer suicídio a serem capturados.

http://www.imdb.com/title/tt0045943/

 

9. Otelo (1952)

Direção: Orson Welles

otelo welles

Desdemona, filha de um aristocrata veneziano, é comprometida com Iago e foge com um heroico militar mouro Otelo. Ressentido, Iago planeja separar o casal. Um dos grandes de Welles.

http://www.imdb.com/title/tt0045251/?ref_=nm_flmg_dr_36

 

8. Macbeth (1948)

Direção: Orson Welles

macbeth welles

Baseado na obra de Willian Shakespeare, conta a história de um homem ambicioso que conspira para se tornar rei na Escócia medieval. Uma das melhores adaptações. Welles foi grande admirador de Shakespeare, não à toa fez tantos filmes adaptados.

http://www.imdb.com/title/tt0040558/?ref_=nm_flmg_dr_39

 

7. Falstaff (1965)

Direção: Orson Welles

falstaff welles

O filme reúne fragmentos e personagens de diversas peças de Shakespeare, entre eles, o anti-herói Sir John Falstaff, fio condutor da história. Uma pérola de Welles.

http://www.imdb.com/title/tt0059012/?ref_=nm_flmg_dr_21

 

6. Richard III (1955)

Direção: Laurence Olivier

qQsl3CD

No século XV, após o término da luta entre as casas de York e Lancaster pelo poder na Inglaterra, a chamada “Guerra das Rosas”, pois a primeira tinha como símbolo uma rosa branca e a outra uma rosa vermelha. Eduardo IV (Cedric Hardwicke), da casa de York, é coroado rei da Inglaterra. Durante a cerimônia Ricardo (Laurence Olivier), o Duque de Gloucester e irmão do novo rei, arde de inveja, pois não está satisfeito em ser apenas um dos vitoriosos.

http://www.imdb.com/title/tt0049674/

 

5. Hamlet (1948)

Direção: Laurence Olivier

Annex-Olivier-Laurence-Hamlet_01

Príncipe dinamarquês (Laurence Olivier) procura vingar a morte do pai, pois o fantasma do rei narra que foi assassinado pelo irmão (Basil Sydney), que assumiu o trono e casou-se com a mãe de Hamlet (Eileen Herlie). Olivier foi outro mestre em adaptar Shakespeare. Um dos maiores.

http://www.imdb.com/title/tt0040416/

 

4. Rei Lear (1971)

Direção: Grigori Kozintsev

 

king-lear-1971-05

Aclamada como uma das melhores adaptações desta tragédia shakespeariana, Rei Lear da Inglaterra, de Grigori Kozintsev, é uma impressionante interpretação épica baseada em uma tradução do romancista Boris Pasternak e impulsionado por uma agitação pontuada pelo compositor Dmitri Shostakovich. Fino e frágil, Yuri Yarvet interpreta o papel título, no qual incide sobre o rei do sofrimento e da dor. Foi aclamado internacionalmente. Kozintsev, um dos pares de Eisenstein, dupla que funcionou bem na década de 1960, foi um mestre da técnica cinematográfica que finalmente alcançou o reconhecimento no final de sua carreira pela sua deslumbrante adaptação de Shakespeare. Segundo o historiador Richard Dyer: “Paradoxalmente, os dois mais poderosos filmes de peças de Shakespeare [Hamlet e Rei Lear] não foram feitos na Grã-Bretanha, mas na União Soviética.”

http://www.imdb.com/title/tt0064553/?ref_=fn_al_tt_1

 

3. Ran (1985)

Direção: Akira Kurosawa

ran

Japão, século XVI. Hidetora (Tatsuya Nakadai), o poderoso chefe do clã dos Ichimonjis, decide dividir em vida seus bens entre seus três filhos: Taro Takatora (Akira Terao), Jiro Masatora (Jinpachi Nezu) e Saburu Naotora (Daisuke Ryu). Com o primeiro fica a chefia do feudo, as terras e a cavalaria. Os outros dois ficam com alguns castelos, terras e o dever de ajudar e obedecer Taro. No entanto, Hidetora exige viver no castelo de alguns deles, manter seus trinta homens, seu título e a condição de grão-senhor, mas Saburu, o predileto, prevendo as desgraças que viriam com tal decisão, se mostra contrário à decisão paterna. A melhor adaptação de Rei Lear, não é de se esperar menos de Akira Kurosawa.

http://www.imdb.com/title/tt0089881/?ref_=nm_knf_i2

 

2. Hamlet (1964)

Direção: Grigori Kozintsev

gamletll

Adaptação fílmica do diretor Grigori Kozintsev, tendo no papel protagonista Innokenti Smoktunovski, Гамлет (pronuncia-se ‘Gámliet’) se não alcançou a excelente recepção crítica do filme de Sir Laurence Olivier, lançado 16 anos antes, em 1948, ao menos teve seus méritos reconhecidos, no Ocidente capitalista. O roteiro, como acontece no filme de Olivier e no de Zeffirelli, modifica profundamente a peça, só que sem levar a uma urdidura dramática verdadeiramente comparável à do texto original. A trilha sonora, composta por ninguém menos que Dmitri Shostakovich, e a belíssima fotografia; o consórcio entre a genialidade musical e a grandiloquência imagética produziram a antológica cena do protagonista seguindo o fantasma de seu pai. Obra-prima de Kozintsev.

http://www.imdb.com/title/tt0058126/?ref_=fn_al_tt_1

 

1. Trono Manchado de Sangue (1957)

Direção: Akira Kurosawa

trono manchado

No Japão do século XVI, os samurais Washizu e Miki encontram uma feiticeira na volta para casa depois de vencerem uma batalha. Ela prevê que Washizu será o Senhor do Castelo do Norte. Esse é o início de uma sangrenta luta pelo poder. Kurosawa, como gênio do cinema, fez nada mais, nada menos, que a melhor adaptação de Macbeth. Cenas antológicas e de uma profundidade atemporal.

http://www.imdb.com/title/tt0050613/